A presença da China no Brasil e na América do Sul
Loading advertisement...
Preload Image
Up next

“Democratização do conhecimento das relações internacionais”, em Angola

Cancel
Turn Off Light

A presença da China no Brasil e na América do Sul

A Fundação Alexandre de Gusmão (FUNAG) e seu Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais (IPRI) promoveram, em 20 de março, mais uma sessão dos Diálogos Internacionais, desta vez sobre “A presença da China no Brasil e na América do Sul”, realizada pelo professor Renato Baumann, no Instituto Rio Branco (IRBr), em Brasília. 

Baumann tratou dos setores que mais atraem investimentos chineses, bem como da demanda latino-americana por esses recursos. O professor mostrou a importância das inversões realizadas pela China aos países da América do Sul, como o Brasil e a Argentina, e ainda do potencial crescente da presença chinesa. 

Integraram a mesa o diretor do Departamento de Assuntos Financeiros e Serviços do Itamaraty, embaixador Noberto Moretti; o diretor do IPRI, ministro Paulo Roberto de Almeida, e o coordenador-geral do Instituto, conselheiro Marco Túlio Cabral. Participaram do encontro diplomatas, autoridades governamentais, alunos do IRBr, e estudantes.

Renato Baumann possui graduação (1972) e mestrado em Economia (1976) pela Universidade de Brasília (UnB) e doutorado em Economia pela Universidade de Oxford (Reino Unido, 1982). Foi diretor do Escritório da Cepal no Brasil entre abril de 1995 e novembro de 2010. Atualmente é secretário-adjunto de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento e professor de economia da UnB. Dentre suas áreas de competência profissional e acadêmica, destacam-se as relações de comércio, política comercial e integração econômica.